Doentes?

Por: Tácito Sgolon. Médico, palestrante espírita e presidente da Associação Médico Espírita de Ribeirão Preto

Todos os dias atendemos vários doentes com diversas queixas , por sintomas agudos ou crônicos, dependendo da situação clínica de cada um. Assim, após fazer uma anamnese, exame físico e raciocínio clínico, chegamos a um provável diagnóstico e a partir dai, a mão dirige à caneta e faz uma receita com vários medicamentos para cada caso em questão. A maioria das vezes, me pergunto mentalmente no momento da escrever a receita: será que estou ajudando este doente e curando a sua doença? Qual será a causa desta doença visto que, na sua casa foi só ele que adquiriu esta infecção?

Esta última pergunta é interessante pois todos os dias entramos em contato com vírus, fungos e bactérias mas não temos infecções decorrente deste contato.

Desde que se iniciou a era da genética, temos sido levados a crer que não há como lutar contra aquilo que fomos programados para ser.

  • O mundo está cheio de pessoas com medo de que seus genes possam se voltar contra elas. Imagine o número de indivíduos que se consideram verdadeiras bombas-relógio, com medo de que o câncer se desenvolva em seu organismo a qualquer momento só porque isso aconteceu com seus pais, irmãos ou tios.
  • Outros atribuem sua falta de saúde não apenas a uma combinação de fatores mentais, físicos, emocionais e espirituais, mas também a falhas no mecanismo bioquímico de seu organismo.

Seus filhos não se comportam bem? A primeira reação dos médicos é corrigir seu “desequilíbrio químico” por meio de medicamentos em vez de tentar descobrir o que há de errado com seu corpo, mente ou espírito.

  • Algumas doenças como coréia de Huntington, talassemia e fibrose cística são de origem genética. Mas distúrbios desse tipo afetam menos de dois por cento da população. A maioria das pessoas vem a este mundo com uma carga genética capaz de lhes proporcionar uma vida muito feliz e saudável.

Doenças que ainda não têm cura como a diabetes, problemas cardíacos e o câncer podem destruir a vida de muitos, mas não são resultado de um único gene e sim de complexas interações entre genes múltiplos e fatores ambientais.¹

Refletindo os questionamentos, sabemos que são vários os fatores capazes de modificar o comportamento do sistema imunológico, como a idade, os fatores genéticos, metabólicos, ambientais, anatômicos, fisiológicos, nutricionais e microbiológicos.²Além desses fatores, ampliando nossa visão com auxilio da doutrina espírita, teremos a influência espiritual (obsessão), estado psicológico do paciente e sua conduta perante a vida.

Quando uma pessoa sofre pressão no emprego para cumprir metas e mais metas, torna-se evidente seu desgaste e insatisfação, que o leva a um desequilíbrio, que gera uma resposta metabólica ao trauma e fatalmente ao adoecimento. Aquele individuo que tem o hábito de fumar ou ingerir bebidas alcoólicas, promove uma desorganização física e perispirídica, que cursa com adoecimento. Assim como, os indivíduos tristes, infelizes, raivosos, egoístas, orgulhosos e outras várias desordens morais, também terão uma deficiência imunológica, que facilitará a incubação de microorganismos e até o desenvolvimento de tumores diversos.

A ação e influência espiritual leva a desequilíbrio do perispírito, por ação de um agente obsessor e esta desordem repercute em sintomas no corpo físico. Lembro que no ano passado atendi uma paciente, que não mora em Ribeirão Preto, com queixa de cefaléia frontal (dor de cabeça), que chegou ficar internada 4 dias, em uso de analgésicos endovenosos, sem melhora da sua dor frontal. Tinha passado em vários neurologistas e feito exame de ressonância nuclear magnética sem evidência de doença e sem melhora com os medicamentos receitados pelos médicos. Assim, como a maioria das pessoas acham que dor de cabeça é sintoma de rinossinusite, esta paciente foi até o consultório para saber se tinha uma infecção no seio frontal; ao atendê-la observei que não apresentava doênça física mas tinha uma vaidade e orgulho um pouco maior que o nosso, e explicando sobre as causas de cefaléia, introduzi os aspectos espirituais, que no meu perceber, a paciente não deu a menor importância. Ápos muitos questionamentos, solicitei uma tomografia de seios de face. Alguns dias depois, a paciente retorna com exame e com o laudo normal nas mãos, e neste momento fiquei esperando-a falar sobre as influências espirituais. Realmente a paciente estava conformada de que não tinha nenhum problema de rinossinusite e não mencionou nada sobre a espiritualidade, levantou rápido da cadeira, agradeceu e disse que iria procurar um médico de outra especialidade para investigar o seu problema. Fiquei a indagar a dificuldade que as pessoas tem em abrir os olhos para espiritualidade e mudar sua visão de vida, como é difícil levantar a cabeça para as estrelas e imaginar que não estamos sozinhos. Muitas pessoas registram doenças de variados matizes e com elas se adaptam para mais segura acomodação com o menor esforço, cultivando a posição de vítimas na qual se comprazem. Isso acontece na maioria dos fenômenos de obsessão. É por esse motivo que, em muitas ocasiões, as dores maiores são chamadas a funcionar sobre as dores menores.³

Esta paciente vai procurar muitos médicos em sua vida para tratar a sua doença e espero que a dor possa leva-la as reflexões mais intimas , ainda mais que após a 1 mês fiquei sabendo, através de uma amiga, que esta paciente ouvia e falava com o “espírito santo”, que provavelmente era seu obsessor, causador da sua dor. A agonia prolongada pode ter finalidade preciosa para a alma e a moléstia incurável pode ser um bem, como a única válvula de escoamento das imperfeições do Espírito em marcha para a sublime aquisição de seus patrimônios da vida imortal.4

1-A BIOLOGIA DA CRENÇA – Ciência e espiritualidade na mesma sintonia – Bruce H. Lipton (seus estudos pioneiros sobre a membrana_celular foram os precursores de uma nova ciência, a epigenética, da qual se tornou fundador e um dos seus maiores especialistas

2-Bellanti JA. Immunology III. Philadelphia: Saunders, 1985. Sigal LH, Ron Y. Immunology and inflammation. Basic mechanisms and clinical consequences. New York: McGraw-Hill, 1994

 

3- NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNI­DADE – ANDRÉ LUIZ – Psicografado por Francisco Cândido Xavier7ª Ed. FEB, 1972

4- PALAVRAS DE EMMANUEL – Francisco Cândido Xavier – ditado pelo espírito Emmanuel – 7ª edição

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s